"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

Congresso Esportivo Juventude Mirim - DH

     Este ano o Congresso Esportivo da Juventude Mirim - DH (Distrito Hortênsias) aconteceu aqui em Canela. 
     Estiveram reunidos 160 jovens mirins (até 13 anos), participando de jogos de integração.
     A abertura dos jogos contou com um momento devocional, cantos, oração. O tema da reflexão foi: "A taça que jamais enferruja." (dirigida pelas prof. ED/Pré-confirmatório, Josi e Giseli). A parte musical foi conduzida pelos jovens Mateus, Dani, Paulo e  Roberta. Também pastores de outras paróquias do DH nos auxiliaram em diferentes momentos.
     Na organização do encontro = parte do esporte - jogos/premiação, cozinha, churrasqueira, e tantos outros detalhes, muitas pessoas foram de extrema importância em sua dedicação, doação e empenho.
     Agradecemos a todos. O esforço de cada um, sob a benção de Deus, tornou este encontro possível e tão bom. Valeu mesmo!
     Forte abraço a todos. 

VEJAM ALGUMAS FOTOS em: 
https://picasaweb.google.com/107816929161147700451/CongressoEsportJuvMirim2011

Encontro De Casais 2011 IV

     Sob o tema: "A benção de Deus substitui o fardo", aconteceu mais um Encontro de Casais na CEL Cristo Redentor, no dia 23 de setembro, com início às 20h.
     Após o momento devocional/estudo da santa Palavra de Deus, teve a confraternização, na qual pode ser saboreada uma deliciosa lasanha.
     Ficamos muito felizes com a participação de todos, e especialmente agradecidos à equipe que preparou a refeição.
     O próximo encontro será no dia 18 de novembro. Agende-se e participe.


VEJA FOTOS em: 
https://picasaweb.google.com/107816929161147700451/EncontroDeCasais2011IV

O PEÃO FAZENDO A CONTA CERTA


A cada dia, todo gaúcho necessita fazer contas. Analisar o que vale mais a pena. Enquanto anda pelas estradas da vida, precisa prestar bem atenção a tudo o que coloca na sua mala de garupa, e qual é o seu apego.
A vida é mais do que bota e bombacha, lenço branco ou vermelho, pala e chapéu. O gaúcho sábio olha além do churrasco, dos galpões e dos rodeios. Com o olhar fixo, montado em seu cavalo, coberto com a pilcha que Cristo conquistou na cruz, segue o trilho do Salvador Jesus, que o leva a Estância Eterna.
O vivente que anda nesta esperança, tem um compromisso com os outros peões. Jesus retrata isto no conto que tem o título: “O peão que não quis saber de perdoar”  (Mateus 18.21-25)
{ Jesus estava falando sobre o perdão de Deus e sobre perdoar os outros... Foi então que São Pedro se aprochegou de Jesus e perguntou:  “Senhor, quantas vezes devo perdoar o meu irmão que peca contra mim? Sete vezes tá bom”?
Jesus respondeu: “Que nada! Tu tem que perdoar, não sete vezes, mas setenta vezes sete.
Porque o Reino da Estância Lá de Cima é como um patrão que resolveu acertar as contas com a peonada dele. De vereda trouxeram um que devia pra ele milhões de moedas de prata. Mas o peão andava matando cachorro a grito, ou seja, estava muito mal dos pilas e não tinha como pagar. Então, pra que a dívida fosse paga, o patrão mandou que fossem vendidos como escravos o peão, a mulher dele, e a filharada toda. E que vendessem também tudo que aquele peão tinha ou que estivesse no nome dele. 
Daí o peão se ajoelhou na frente do patrão e disse: “Tem um pouco mais de paciência! Me dá mais um tempo, que eu vou pagar tudo pro senhor.”
Mas o patrão teve pena dele, perdoou a dívida e deixou que ele fosse embora.
Esse peão saiu de lá e na estrada cruzou com outro peão, um dos que trabalhavam com ele na fazenda. Esse vivente devia pra ele pouca coisa, uns cem pila. Ele pegou esse companheiro pelo cangote, ficou sacudindo e dizendo: “Paga o que tu me deve!”
Então o companheiro dele, o outro peão, se ajoelhou e pediu: “Tem um pouco mais de paciência! Me dá mais um tempo, que vou te pagar tudo.”
Mas aquele primeiro peão não quis saber de conversa. Pelo contrário, foi fazer queixa pro delegado e conseguiu que o infeliz fosse levado pra cadeia, até que pagasse a dívida.
Quando o resto da peonada ficou sabendo do ocorrido, mas bah tchê: ficaram pra lá de revoltado. De vereda foram contar esses acontecimentos pro patrão.
Aí o patrão chamou aquele peão e disse pra ele: “Peão miserável! Tu me pediu, e eu perdoei tudo o que tu me devia. Por isso, tu devia ter pena do teu companheiro, como eu tive pena de ti.”
O patrão ficou com muita raiva e mandou que o peão fosse levado pra cadeia, e que dessem umas boas tundas de laço nele, até que toda a dívida fosse paga.
E pra terminar, Jesus disse: É isso o que o meu Pai, que está na Estância Lá de Cima, vai fazer com vocês, se cada um não perdoar o seu irmão do fundo do coração. } Pr. Vilson Scholz
Companheiros de luta. Quem se apresenta para pagar a nossa conta diante do Patrão lá de cima? JESUS. Encravando o escrito da dívida no alto da cruz. O cálculo que este Peão fez não foi pensando nas conseqüências que caíram sobre as cosas dele, mas nas conseqüências que tira de sobre nossas costas, e as incontáveis bênçãos do Patrão Celeste que podemos desfrutar, pela fé na sua obra libertadora de Jesus.
Agora, a conta que Jesus propõe para o índio velho é:  70 x 7 = Perdoe sempre que for necessário. Deus faz igualzito com cada um de nós, em Cristo.
Quem se ocupa em anotar as ruindades do outro, não perdoa! Não conhece, não dá valor, não calcula o que significa o perdão de Jesus.
Aqui está a conta certa do gaúcho cristão: Somos do Patrão lá de cima por compaixão dEle, conta paga pelo Peão Jesus. A nossa dívida de uns para com os outros é o amor, o perdão, mostrando que somos gratos por tudo o que o Patrão Celeste coloca nos nossos peçuelos.  Amém. (Rm 13.8; Sl 103.2)
jnG

BASTA DOIS OU TRÊS ESTAREM REUNIDOS


Esses dias vi uma reportagem feita com Luan Santana. Dentre muitas coisas abordadas, chamou atenção um fato do início da sua carreira, em um de seus shows. Ele e seu empresário pensavam que encontrariam um grande público. Mas, chegando ao local do show, depararam-se com a inusitada situação de encontrarem apenas 25 pessoas reunidas. Naquele momento, o empresário queria ir embora, não fazer o show. Porém Luan quis cantar. Pensou que valesse a pena.
O que Luan tinha a oferecer? Entretenimento, diversão, lazer.
Quantas pessoas precisam estar reunidas para que o nome que está acima de todos os nomes apresente seu “show”, ou melhor, seu Evangelho? Quantas pessoas precisam estar reunidas para que Jesus, nome que reconcilia o ser humano com o eterno Deus, estenda seu perdão, sua vida, sua salvação?
A resposta está no Evangelho de Mateus (18.25): “Porque onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.
Não que Jesus não esteja com cada um de nós, individualmente, lá onde estamos, a cada momento. Ele prometeu isso: “Eu estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos.” (Mateus 28.20)
Quando Jesus fala em dois ou três estarem reunidos em seu nome, e assim ele estar no meio destes, ele está falando do tesouro que o ele colocou na mão da sua igreja, de cada cristão: O ofício das chaves. Dar e receber perdão. A confissão e a absolvição. Seja ela pública ou particular. Não importa. Jesus está ali. As palavras pronunciadas pelo seguidor de Jesus são palavras fiéis, verdadeiras, como se fossem soar diretamente da boca de Deus.
A palavra da vida, JESUS, o evangelho com seu poder está ali, com seu perdão, sua vida, sua salvação.
Às vezes, quando as pessoas estão em uma situação difícil, em pecado, sugiro que conversem com seu pastor, ou com um irmão na fé de extrema confiança. Muitas vezes ouço: “O que alguém pode fazer por mim, por nós, por meu casamento, por minha família, por minha amizade?”
Realmente, muitas vezes o médico pode ajudar, o psicólogo pode ajudar, técnicas, exercícios, conversas...  podem ajudar.   No entanto, Jesus, que está conosco sempre, nos deu uma ferramenta preciosa capaz de mudar vidas, levantar caídos, sarar enfermos, unir separados, alentar famintos, dar paz aos que estão em conflito.
Esta ferramenta se chama OFÍCIO DAS CHAVES. (Mateus 16.19) Dar e receber perdão. Confessar em sincero arrependimento seu pecado, e esperar inteiramente na graça e amor de Deus anunciados pelo irmão na fé que diz: - Perdoados estão os teus pecados, vai e não peques mais.
O apóstolo João registra as palavras de Jesus, quando aparece vitorioso sobre o pecado, a morte e o diabo: “Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre seus discípulos e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos.” (João 20.21-23)
Com o ofício das chaves remove-se o pecado, “lançando-o no fundo do mar”. As conseqüências ainda podem ser sentidas nesta vida, mas o remédio do perdão nos cura para seguirmos na certeza da companhia de Deus e de que estaremos com ele no céu.
Isso porque a nossa dívida com Deus está paga, pelo sangue do cordeiro sem mácula, Cristo Jesus. E Deus nos chama a nos reunirmos para avalizar isso uns aos outros. Anunciar isso ao pecador arrependido. Basta dois ou três estarem reunidos em nome de Cristo. E a garantia maior: O PRÓPRIO JESUS ESTÁ NO MEIO DELES.
Esta prática de vida regenerada no perdão de Jesus se manifesta na petição: Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores. (Mateus 6.12)
Vale a pena dois ou três estarem reunidos?
Sim, vale, quando estão reunidos em nome de Jesus, confiantes nas promessas de Jesus, colocados sob o ofício das chaves. Jesus certamente está com os que se reúnem. Também pode ser para um show artístico, um entretenimento. Mas de uma forma bem especial Jesus está no meio dos que se reúnem em seu nome sob o EVANGELHO, para dar e receber perdão - no culto público ou em particular.
Que benção. Então, acima de tudo, Vale a pena dois ou três estarem reunidos ! Amém.
jnG