"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

O CRISTÃO AMA E ORA!


Estimados em Cristo Jesus.

O texto bíblico de Mc 5.38-48 traz uma proposta ousada de Jesus: “Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem;” Jesus, na verdade, estava tocando em dois temas polêmicos: a vingança e o amor aos inimigos. Ao tratar destes dois temas tão polêmicos, Jesus destaca uma verdade que precisa estar presente na vida do cristão. A verdade de que o cristão ama indistintamente e ora incessantemente!
O cristão ama indistintamente, isso significa dizer que, independente da cor, da posição social, da índole, o cristão ama o seu próximo. É por isso que Jesus propõe amar os inimigos. Tal visão vai completamente na contramão daquilo que se havia estabelecido entre o povo judeu, onde o reflexo da lei do “olho por olho”, os levava a odiar seus inimigos e amar somente aqueles que os quisessem bem. Deus motiva e espera que amemos a todos indistintamente! Amar o inimigo não significa abdicar da vida, dos princípios, mas significa tratá-lo com dignidade. Significa tratá-lo com respeito mesmo que muitas vezes se sofra por causa disso, considerando sempre o amor de Deus por nós.
O cristão também ora incessantemente! Porém, o convite de Jesus é ainda mais desafiador: “...orai pelos que vos perseguem;” (Mt 5.44) Jesus adota o caminho do amor! Sim, ele procura trilhar um caminho diferente, o caminho do amor que vem de Deus, e que é vivido por seus filhos, o qual os leva a orar incessantemente também por aqueles que os perseguem, mesmo que sob injustiças muitas vezes! Conta uma pequena história, que certo imperador dirigiu-se com seu exército para determinado ponto do reino com o propósito de acabar com rebeldes que se haviam levantado contra ele. Ao chegar no local, ao invés de combatê-los, passou a tratá-los com tanta brandura e amabilidade que, em gratidão, os rebeldes se submeteram a ele voluntariamente. Ao presenciar tal atitude, um dos generais questionou o monarca: - É desta forma que Vossa Excelência cumpre sempre a sua ameaça? Não nos disse no início da caminhada que viríamos aqui para vê-lo destruir os seus inimigos? Ora, a única atitude que tomou foi a de anistiá-los com um gesto humanitário. É assim que Vossa Excelência pretende manter seu império, perdoando e premiando os rebeldes com carinho? Depois de ouvir atenciosamente a censura do seu general, disse-lhe: - Sim, lembro-me que prometi solene e decididamente destruir todos os meus inimigos. E agora eu lhe pergunto: você está vendo algum inimigo meu por aqui? “
Jesus, propõe o caminho do amor, onde passamos a olhar nossos semelhantes não com olhos de ódio ou de desprezo. Jesus propõe um caminho onde, ao invés de nos “armarmos” para a batalha, somos convidados a “baixar a guarda” e buscar o diálogo com aqueles com quem vivemos em conflito. O exemplo vem do próprio Salvador Jesus, que também orou por seus inimigos no alto da cruz: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” (Lc 23.34)
Jesus Cristo nos convida a trilharmos o caminho do amor. Jesus nos convida a nos entregarmos nas mãos de Deus, permitindo que o amor ao próximo se manifeste em nossos relacionamentos. Que possamos nos dispor a trilhar este caminho, amando e orando sem cessar. Amém.
Com carinho, pastor Valdir Lopes Junior.






É DEUS QUEM DÁ O CRESCIMENTO

A cidade de Corinto era realmente diferente. Era o único acesso por terra a ligar os mares Egeu e Adriático, além de unir a Acaia a capital grega Atenas. Por ela passavam mercadores, e pessoas de diferentes origens e nacionalidades. Corinto também era conhecida por sua má fama. Lá havia prostitutas sagradas e a cidade era dominada pela adoração a Afrodite, a deusa do amor, o que transformou a cidade num sinônimo de excesso e também de libertinagem. Neste cenário difícil, Paulo fundou uma congregação cristã que sofria com as influências da cultura grega, tanto na área filosófica, como na área social. A congregação era formada por pessoas desde escravos até outros influentes na sociedade. Estes últimos, pelo nível intelectual que possuíam e pelo status na sociedade, queriam conservar sua rotina social inalterada, mesmo estando em pecado. Em 1Co 3.1-9 nos é narrado o surgimento de grupos rivais dentro da igreja! Pela dificuldade em não contar com locais adequados ao culto, os coríntios reuniam-se em pequenos grupos nas casas, o que acabou resultando em divisões. Paulo menciona três grupos: os que seguiam a ele, Paulo, os que seguiam a Apolo e os que seguiam a Pedro, além dos “rebeldes” que reivindicavam o título exclusivo de “cristãos”. Para tratar deste problema de divisão entre os coríntios, Paulo enfatiza uma verdade imutável. É Deus quem dá o crescimento à igreja independente de quem plante ou regue: “Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus.” (1Co 3.6) Paulo “plantara” a congregação, Apolo “regara” fortalecendo o ensinamento, porém, Deus é quem havia dado o crescimento espiritual e numeral àquela comunidade.
Esta verdade também permanece hoje na vida da igreja cristã! Independente de quem ministre o evangelho, é Deus quem dá o crescimento a sua igreja no mundo. É por isso que apegar-se a figuras humanas, atribuindo a estas o crescimento da igreja é um tanto “infantil” na visão bíblica, de tal maneira que o próprio Paulo comentou: “Eu porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim, como a carnais, como a crianças em Cristo.” 1Co 3.1)
Que bom é saber, que o Reino de Deus não depende de nossas fracas mãos, mas é sustentado pelo próprio Senhor dos senhores, que se utiliza de nós, seus instrumentos, para dar o crescimento para sua Igreja no mundo...”Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de Deus sois vós.” (1Co 3.9)

Que Deus abençoe a todos nós.

Com carinho, Pastor Valdir.  

EU VIM PARA QUE TENHAM VIDA!

             Está causando grande impacto na mídia, o episódio ocorrido com o jogador Tinga durante a partida entre sua equipe, Cruzeiro de Belo Horizonte, e a equipe peruana do Real Garcilaso. Cada vez que o jogador tocava na bola a torcida imitava os sons de um macaco. Este é mais um capítulo lamentável por parte do ser humano. Reflete muito mais do que uma atitude racista, demonstra a maldade que existe na humanidade após a queda em pecado. Não foi a toa que Jesus pronunciou: “Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios...” (Mc 7.21) A reação da torcida peruana foi, nada mais nada menos, do que uma exposição daquilo que o ser humano é em sua essência: pecador.
O período que estamos vivendo como igreja, epifania, revela a nós um Deus que se mostrou presente e atuante na pessoa de seu Filho Jesus Cristo com o único e exclusivo propósito de salvar o ser humano da perdição eterna em que se encontra. É neste sentido que também o Salvador Jesus Cristo declarou: “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” (Jo 10.10)
O jogador Tinga, provou o gosto amargo da discriminação. Nos solidarizamos com ele, repudiando todo e qualquer tipo de sentimento ou expressão racista. No entanto, importa também dizer que o ser humano prova diariamente o gosto amargo do pecado que o afasta de Deus, e nós, como seus filhos, não podemos ignorar que a vida dada em abundância está disponível a todos. Sigamos juntos, vivendo este amor e testemunhando ao compartilhar do mesmo com aqueles que sofrem com atitudes discriminatórias.
Com carinho, Pastor Valdir.

"SÓ TINHA MINHA CABEÇA EM DEUS"

"Só tinha minha cabeça em Deus"

               A frase acima foi dita por um pescador salvadorenho, José Salvador Alvarenga, cidadão de El Salvador que vive como pescador no México há 15 anos. Seu tormento começou quando pescava pequenos tubarões e camarões com um jovem chamado Ezekiel e o barco onde estavam foi atingido por uma tempestade que danificou o motor, deixando os dois à deriva em 21 de dezembro de 2012. Sem encontrar terra firme, ficaram com o barco a deriva em alto mar, por cerca de 13 meses até que o barco chegasse nas ilhas Marshall na semana passada. "Durante quatro dias após a morte do meu colega, pensei em me matar. Mas eu não sentia o desejo. Eu não queria sentir dor. Então, não fiz nada. Eu só tinha minha cabeça em Deus. Se fosse morrer, seria com Deus. Então, não tinha medo" - contou ao jornal inglês The Telegraph.i
               Esta história de sobrevivência, lembra um filme estrelado pelo ator Tom Hanks no ano de 2001 que retratava a aventura de um homem que fora o único sobrevivente de um desastre que viveu bom tempo isolado em uma ilha. Sem dúvida alguma, viver uma situação de isolamento deste nível, causa admiração e até medo em muitas pessoas. Porém, existe um isolamento que é muito mais perigoso do que o físico, é o isolamento espiritual. Este isolamento acontece quando o ser humano crê ser independente de tal forma que não necessita amparo de ninguém, especialmente de Deus. É um isolamento perigoso, porque não surge em situações adversas, mas pode aparecer mesmo que se viva rodeado por pessoas em meio a uma multidão.
               José Salvador Alvarenga credita sua sobrevivência a Deus, porque ao lembrar-se dele, passou a não sentir medo, pois mesmo em situação precária tinha a companhia do Senhor ao seu lado. O período de Epifania é justamente isso: a revelação de um Deus presente em nossas vidas. Ele revelou-se na pessoa  de seu Filho Jesus Cristo, que veio para sentir, compartilhar e auxiliar a cada um de nós em nossas dificuldades diárias. Cristo veio para nos afastar do isolamento e ressaltar que é companhia presente no dia-a-dia, seja em casa, no conforto do lar, ou mesmo na dificuldade em alto mar.
               Por isso, "tenhamos nossas cabeças" em Deus, que nos convida mais uma vez a sairmos do isolamento, e junto com o salmista nos alegrarmos dizendo: "Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor." (Sl 122.1)
Com carinho, Pastor Valdir Lopes Junior


_______________
i+http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/mundo/noticia/2014/02/naufrago-que-passou-13-mese-no-mar-volta-ao-mexico-4408312.html