"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

PARA ENTRAR NO REINO DOS CÉUS É NECESSÁRIA A PUREZA DE UMA CRIANÇA!



“Qualquer que receber uma criança, tal como esta, em meu nome, a mim me recebe; e qualquer que a mim me receber, não recebe a mim, mas ao que me enviou.” (Mc 9.37)
O clima entre os discípulos não andava bom. Tinham tido o insucesso de não conseguirem expulsar um demônio de um jovem. Diante dessa dificuldade, passaram a discutir sobre qual deles era o mais importante. Jesus então aproveita para ensinar-lhes uma lição de humildade. Ao destacar uma criança, Jesus está apontando para a pureza necessária para se entrar no Reino de Deus:
Ser como uma criança, implica deixar-se conduzir pelo Senhor, através de sua palavra, e não tomar medidas precipitadas, como lembra o Salmista: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele e o mais Ele o fará.” (Salmo 37.5)
Ser como uma criança, implica não fazer uso da sabedoria mundana, terrena, nas coisas de Deus, conforme alerta o apóstolo Tiago: “Esta não é a sabedoria que desce lá do alto; antes, é terrena, animal e demoníaca. A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura;!” (Tg 3.15 e 17a)
Ser como uma criança implica não buscar os méritos, os primeiros lugares, mas ser o último, permitindo que Deus nos coloque no lugar de honra, a vida eterna.
Que bom que Deus nos concedeu tais oportunidades através de seu Filho Jesus Cristo.
Não as ignoremos, mas aproveitemos as mesmas, afim de que um dia, possamos ser recebidos no Reino dos Céus. Amém.
Com carinho, Pastor Valdir.


Dá-nos um rei!


“Dá-nos um rei, para que nos governe. Então Samuel orou ao SENHOR.” (1 Sm 8.6)
Corria o ano de 1835, e o estado do Rio Grande do Sul passava por uma profunda crise política e econômica, algo que vivemos na atualidade. O então presidente da província do Rio Grande do Sul, Antônio Rodrigues Fernandes Braga, que era gaúcho, não tinha laços estabelecidos no estado especialmente por ter servido  ao Império na Europa e Estados Unidos. Embora agradasse aos liberais, entrou logo em atrito com estes ao acusá-los de quererem separar o Rio Grande do Sul do Império Brasileiro e uni-lo ao Uruguay. Diante disso, na noite de 18 de setembro, reuniram-se as principais autoridades políticas e decidiram que na manhã de 20 de setembro tomariam militarmente a cidade de Porto Alegre, e destituiriam do poder o presidente provincial Antônio Braga. Os farroupilhas adiaram um pouco o planejado, chegando ás portas de Porto Alegre na manhã do dia 21, quando então assumiram o controle da província. No dia 25 de setembro de 1835, Bento Gonçalves expediu uma carta ao Regente Imperial, padre Diogo Antônio Feijó, explicando os motivos da revolta e solicitando a nomeação de um novo Presidente e comandante das armas. Os revoltosos então, deram o conflito por encerrado.
O pedido de Bento Gonçalves, lembra o pedido feito por Israel ao profeta Samuel. Em 1 Samuel 8.6 o povo pede: “Dá-nos um rei, para que nos governe”. Deus concorda com o pedido do povo e ordena a Samuel que prossiga com a escolha do primeiro rei da nação de Israel. O escolhido foi Saul. Obviamente que não se deve comparar a revolução farroupilha com a história do povo de Deus no Antigo Testamento. O que devemos sim lembrar, é que tanto lá no Antigo Testamento, como em 1835, Deus se fazia presente. Aliás, também nos dias de hoje, onde enfrentamos um cenário difícil em nosso estado e país, o Senhor segue acompanhando seu povo. Neste sentido, o pedido feito por Israel, e repetido por Bento Gonçalves, nos faz lembrar do maior Rei de todos, o Príncipe da Paz, o Salvador Jesus. Que possamos viver este período de lembranças do que aconteceu na história de nosso povo gaúcho, na segurança de um Deus que não nos abandona, mas permanece ao lado de seus filhos. Podem passar revoluções, guerras e coisas do gênero, mas o seu amor, permanece para sempre. Confiemos sempre nesta certeza. Amém.
                                                              Com carinho, pastor Valdir.

Fotos do culto: 
https://picasaweb.google.com/107816929161147700451/CultoGauchesco03

“Volta, minha alma, ao teu sossego...” (Salmo 116.7a)



Sossego é, sem dúvida alguma, uma palavra que tem andado ausente do vocabulário do povo gaúcho. Além do endividamento de nosso Rio Grande do Sul, são inúmeros os fatores que tem deixado nosso povo aflito: a educação, que além do pouco investimento que recebe e as condições precárias de trabalho ainda vê seus profissionais tendo de enfrentar um parcelamento nos salários, a segurança pública, com o aquartelamento dos policiais militares e a greve dos policiais civis que acabaram gerando um sentimento de insegurança tremendo nas famílias e a consequente escalada da criminalidade, sem falar na saúde, quando temos ao nosso redor hospitais em precárias condições com falta de medicamentos e baixa valorização dos profissionais da área da saúde. Tudo isso e ainda mais o parcelamento de salários dos funcionários estaduais, que tem dificultado a vida do trabalhador que se vê privado daquilo que é mais sagrado: o seu sustento!
É possível ter sossego com todo este cenário? Do ponto de vista meramente humano não! Realmente, quando o ser humano apoia-se somente em si mesmo, corre o risco de grandes decepções, como as que temos enfrentado nestes dias de crise. Por outro lado, quando se deposita-se a confiança em Deus, o sossego é sim possível! Ainda bem que o versículo 7 do Salmo 116 não termina na palavra sossego, mas é completado com a seguinte frase: “... pois o Senhor tem sido generoso para contigo.” (Salmo 116.7b) Aqui, somos lembrados de todas as bênçãos espirituais e materiais que diariamente Deus nos concede. Como é bom poder olhar para trás e lembrar, que apesar das dificuldades, Ele não nos desampara.
Nestes tempos difíceis, somos convidados a confiar em Deus, e entregar em suas mãos nosso estado, trabalho e principalmente nosso coração! Ele há de se encarregar através de sua providência de nos conduzir neste tempo de aflições, afim de nos dar o sossego necessário.
Com carinho, Pastor Valdir.

DIVINO SALVADOR, CONTEMPLA COM FAVOR NOSSO PAÍS!


Divino Salvador, 
contempla com favor 
nosso país. 
Dá-nos justiça e paz, 
governo bom, capaz, 
pátria em que nos apraz 
viver feliz. 

Olhamos para ti; 
oh! vem reinar 
aqui, tu, Rei dos reis. 
Dirige o pátrio lar, 
ensina a governar, 
conforme o teu mandar, 
por justas leis. 

A quem governa, ó Deus, 
inspira desde os céus 
o teu temor. 
Ao povo vem unir, 
disposto a te servir, 
e em nome teu agir 
com fé e amor. 
Com as palavras do Hino 513 de nosso Hinário Luterano, queremos desejar a toda nossa nação brasileira a bênção daquele que a dirige acima de toda e qualquer autoridade humana. Que o Senhor proteja a todos os brasileiros diante do caos, insegurança e principalmente que nos livre de toda e qualquer injustiça que possa vir a assolar o povo brasileiro! 

CULTO DOS 100%


"Alegrei-me quando me disseram: Vamos à Casa do Senhor." (Sl 122.1)
Sem dúvida alguma, esta foi a frase que pode ser colocada como um resumo do momento em que vivemos como família da Cristo Redentor no culto do último sábado, dia 29 de agosto. Nossa igreja estava cheia, com irmãos na fé que não víamos a muito tempo, ou que nem conhecíamos.
Muitas pessoas comentaram, de que como foi bom o momento de culto, como foi alegre, e como poderíamos ter os cultos mais bem frequentados como aconteceu no sábado. Pois bem, este é um desafio que Deus coloca diante de nós. Não o de fazermos número, mas sim, o de vivermos nossa fé firmados na alegria de podermos retornar a nossa casa, a casa do Pai, a casa de Deus.
Que o Senhor siga abençoando nossa congregação para que todos os membros e simpatizantes sintam-se alegres em retornarem a casa do Pai, para buscarem fortalecimento, comunhão com os irmãos, e juntos, enfrentarmos o desafio de levarmos Cristo para Todos!