"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

QUARESMA: Amor que nos constrange!

A palavra amor é desafiadora. De tal maneira que o próprio Jesus ao falar sobre ela, destaca aspectos que para o ser humano são difíceis de vivenciar. Por exemplo, quando o Salvador fala em amar os inimigos! Esta maneira de vivenciar os relacionamentos, mesmo em relação aos desafetos é perturbadora, porque tira o ser humano de sua zona de conforto. Vamos meditar um pouco hoje sobre como Deus se utiliza da palavra amor! Em Gênesis 12.1-3 encontramos o relato do chamado de Deus a Abrão! Ali, na promessa que fez, Deus deixou transparecer seu amor: “...de ti farei uma grande nação, e te abençoarei, e te engrandecerei o nome. Sê tu uma bênção! Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” A promessa de Deus vem impregnada de amor! Isso mesmo! Deus desafia a Abrão a sair do conforto de sua casa, de suas terras e partir para uma nova vida. Do ponto de vista humano, seria uma loucura abandonar o certo pelo duvidoso, ainda mais aos 75 anos de idade! Porém, Deus não dera “um tiro no escuro”. O desafio proposto a Abrão vinha com argumentos, Deus lhe falara dos benefícios: de ti farei uma grande nação! Nesta promessa de Deus estava presente o seu amor. Deus prometera estar com Abraão em todo o tempo. O amor de Deus é também algo que transparece em nossos dias. Certa vez Jesus declarou: “Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.” (Lc 12.7) Por causa deste amor, somos constrangidos a permanecer ao lado de Deus. Abrão assim agiu quando chegou a terra prometida: “Apareceu o SENHOR a Abrão e lhe disse: Darei à tua descendência esta terra. Ali edificou Abrão um altar ao SENHOR, que lhe aparecera.” (Gn 12.7)
O amor de Deus é tão envolvente que constrange o ser humano. Constrange em um duplo sentido: quando o faz refletir sobre sua pecaminosidade e dívida diante do Senhor que o salvou, e também no sentido de pertença, pois, como posso me afastar deste Deus que me ama? Certamente Abrão meditava nestas coisas.  Certamente estava surpreso de que Deus, infinitamente maior do que qualquer ser humano, viesse ao seu encontro propor-lhe uma aliança! Ao receber a proposta nem teve oportunidade para recusar, pois, como poderia ignorar o amor de Deus?
Queridos irmãos e irmãs, o tempo de quaresma é um tempo para lembrarmos do amor de Deus que nos constrange. O amor de Deus que nos leva a lembrar que sim, somos pequenos, mas mesmo sendo tão pequeninos, pertencemos a um Pai que nos amou a ponto de entregar seu Filho Unigênito por nós. Não esqueçamos nunca do que somos e a quem pertencemos, pois o amor que Ele nos dá, supre toda e qualquer falta. Amém.

Com carinho, Pastor Valdir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário