"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

QUARESMA: TEMPO DE CONTEMPLAR A OBRA DE CRISTO!

Um homem chega próximo a cidade, olha de longe e após um profundo suspiro declara: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes! Eis que a vossa casa vos ficará deserta. Declaro-vos, pois, que, desde agora, já não me vereis, até que venhais a dizer: Bendito o que vem em nome do Senhor!” (Mt 23.37-39)
As palavras acima são uma perfeita descrição do que é a quaresma. O homem é Jesus de Nazaré. A cidade é Jerusalém, cujo nome quer dizer: “lugar de paz”, mas que tempos depois se tornaria um lugar de guerra e de muita amargura devido não somente a sua destruição anunciada por Jesus, mas também por ser o palco do sofrimento e morte do Salvador. A obra e missão de Jesus Cristo podem perfeitamente serem resumidos naquilo que ele mesmo destacara: “Quantas vezes quis eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!” (Mt 23.37) Jesus usa a analogia da galinha que quando pressente o perigo, puxa seus filhotes para junto de si e os protege com as suas asas estendidas. Eis aí o resumo de sua missão: atrair para si, pela fé, a todos os seres humanos afim de que nele creiam e encontrem refúgio para resistir às investidas de Satanás enquanto não chegam a vida eterna. No entanto, a vontade perversa do ser humano repele ou perverte esta proteção de Deus ao agir como um pintinho rebelde que teimosamente resiste a sua santa vontade em suas vidas.
Pois o tempo de quaresma, é um tempo oportuno para rever esta rebeldia e buscar guarida nos braços de Deus. É Tempo oportuno para viver-se a renovação através do arrependimento, fé e disciplina cristã, claro, tendo sempre como ponto de partida a obra de Cristo na cruz. Nenhum esforço humano pessoal pode alcançar o perdão de Deus e a renovação em fé. Somente a fé em Cristo e em sua obra redentora podem abrir caminho para que o Espírito Santo haja no coração humano e o conduza a uma vida mais santificada.
Sendo assim, vivamos este tempo de quaresma abrigados nos braços do Pai. Assim, contemplando a obra de Cristo, poderemos viver mais uma preparação para a Páscoa na certeza de sua bênção e cuidado.
Com carinho, pastor Valdir.

O CRISTÃO PRECISA IR AO CULTO SEMPRE?


O cristão precisa ir a todos os cultos? Durante a semana, encontrei na internet um texto muito interessante sobre este tema. Trata-se de um diálogo entre uma moça e um pastor abordando o assunto. A moça tem o nome fictício de “Fernanda”.
*Fernanda:–Olá pastor, paz do Senhor! Estou com uma dúvida e penso que o senhor poderá me ajudar. É preciso ir todo domingo ou final de semana ao culto? Eu não tenho conseguido ir e minha mãe fala que é errado, porém eu penso que não adianta eu ir todos os finais de semana se não estiver bem para receber o que vem de Deus. Gostaria de uma resposta, pois isso tem me intrigado muito! Um abraço e que Deus o abençoe!
*O Pastor responde: –Fernanda, se você *entende que ir ao culto todos os domingos é uma obrigação, não vá.* *Se você entende que ir ao culto todos os domingos é bobagem, não vá.* *Se você entende que ir ao culto todos os domingos é muito chato, não vá.* *Se você entende que ir ao culto aos domingos é perda de tempo, não vá. *Se você entende que não ir ao culto aos domingos é pecado, não vá. *Vá ao culto todos os domingos, Fernanda, somente nas circunstâncias abaixo:
*quando você entender que ir ao culto é uma resposta de amor a Deus por todo o amor que você recebe dele constantemente;
*quando você entender que é preciso alimentar a sua fé com a Palavra de Deus e com o Pão da Vida que é Jesus;
*quando você entender que você participa de uma grande família e que, quando você não vai, seu lugar fica vazio na mesa;
*quando entender que não basta ter fé, é preciso vive-la.
*quando você entender que o domingo é dia de curtir a família, os amigos, a vida, mas também é dia de curtir o Deus maravilhoso que a ama de todo coração.
Sabe, Fernanda, certamente você já deve ter experimentado aquela sensação de que o culto não muda. É tudo igual, tudo repetitivo, etc. Lembre-se, porém, que sua família não muda e você a ama; sua escola é a mesma, e você a frequenta; seus amigos são os mesmos e você não se enjoa deles. Você vai ouvir também de muita gente que ir ao culto só vale quando a gente tem vontade. Eu também acho. Mas também acho, querida, que devemos educar a nossa vontade para querer coisas boas que nos fazem crescer, que nos fazem felizes.
Deus nos guie para que tenhamos a motivação certa para vir ao culto!
Com carinho, pastor Valdir.

EPIFANIA

Estamos iniciando um período muito significativo no calendário da igreja cristã no mundo: o tempo de epifania.
O que é Epifania?
Epifania é o período que liga o nascimento e a Paixão de Cristo. O ponto alto desse período é a visita dos magos ao menino Jesus. Por isso, a ênfase desta época é a manifestação de Cristo como verdadeiro Deus ao mundo, uma boa oportunidade para destacar a missão de Deus. Dentro do espírito de manifestação, o segundo domingo deste período lembra o batismo de jesus e o início do seu ministério. A epifania culmina com a Transfiguração de Jesus, dia que nos dá uma visão antecipada da glória de Jesus no céu. A cor para o dia do Batismo de Jesus e o dia da Transfiguração é branca, já para os demais domingos é verde, por tratar-se de um tempo comum que faz a transição entre os ciclos de Natal e Páscoa.
Neste tempo oportuno, lembramos do Deus que se revelou aos povos do mundo como o Salvador da humanidade pecadora. A grande notícia recebida no Natal, agora é expandida por destacar que este acontecimento seria o ponto de partida para a redenção da humanidade. A partir daí podemos entender a alegria do velho Simeão ao ter em seus braços o Salvador do mundo: “Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação, a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glória do teu povo de Israel.” (Lc 2.29-32)
Simeão vivia esta alegria, pois sabia que Deus entrara em nossas trevas para resplandecer sobre nós com o brilho de sua luz verdadeira (Is 60.1-2). Ele faz isso especialmente através de sua Palavra do Evangelho, a qual Ele faz com que seja proclamada em sua igreja na terra, não apenas para judeus, mas também para os gentios. Não somente para os da igreja, mas também para os de fora da igreja. Este cuidado pastoral de Deus com os de dentro, mas também com os de fora, demonstra seu caráter amoroso e misericordioso.
Tenham todos um abençoado tempo de Epifania.
Com carinho, pastor Valdir.

ANO NOVO, VIDA NOVA!

Ano novo, vida nova!
A cada final de ano ouvimos esta frase sendo pronunciada. Será que ela é de fato verdadeira? Do ponto de vista hipotético, talvez sim. Afinal de contas, as promessas são abundantes antes de iniciar o novo ano. Promessas de reorganizar a vida pessoal, financeira, “colocar a casa em ordem”. Do ponto de vista prático, nem sempre é assim. Na grande maioria das vezes as pessoas se propõem a algo que não conseguirão cumprir. Existe uma pequena regrinha, um dito popular que diz mais ou menos assim: “Nunca prometa nada quando estiver feliz.” Sem dúvida alguma, o sentimento de alegria, de euforia ou de expectativa gerado a cada final de ano pode nos levar a prometer algo difícil de ser alcançado.
Do ponto de vista da fé cristã, este “peso” é tirado de cima de nossos ombros.  
Deus não apresenta alvos físicos, alvos concretos a serem alcançados. Até mesmo porque nós vivemos sob sua graça imerecida. Graça, porque foi Ele mesmo quem veio até nós na pessoa de seu Filho Jesus Cristo. Imerecida, porque afundados na miséria do pecado, não merecíamos sequer que Ele nos olhasse. No entanto, guiado por seu amor incondicional, mergulhado em sua profunda misericórdia, Deus vem ao nosso encontro no final de cada ano e nos diz: “Filho meu, filha minha, descanse em meus braços neste final de ano, e confie que estarei com você no novo ano que se inicia.” Aqui, podemos relembrar a grande “guinada” que Deus causou em nossas vidas através de seu Filho Jesus Cristo. Do ponto de vista da fé, podemos olhar para a expressão “ano novo, vida nova” com outros olhos, pois o Senhor Todo-poderoso prometeu e cumpriu a promessa de nos dar nova vida por intermédio da fé em Cristo. Não vivemos mais com os olhos única e exclusivamente limitados a este mundo, mas confiamos que em toda e qualquer situação não estaremos sós, mas Ele estará conosco.
Diante de tão grande amor, nos resta somente pedir junto com o salmista: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.” (Sl 90.12)
Que o Deus Todo-Poderoso nos guie e guarde no novo ano que se inicia, para que sigamos vivendo a vida nova que Ele nos concedeu pela fé no menino de Belém, Jesus Cristo, nosso Senhor.
Feliz 2018!

Com carinho, pastor Valdir.

“Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas;” Mc 1.3

Preparação! Que palavra importante, não é mesmo? Ainda mais no final de um ano. Quando chega esta época nos preparamos para o Natal, afim de receber familiares, amigos e outros convidados para a ceia. Nos preparamos para o fim de ano pagando contas, tentando cumprir com os objetivos que circundam o novo ano. Nos preparamos para as férias escolares e também do trabalho. Também para a igreja é um tempo de preparação. Preparação, não somente para o Natal que se aproxima, mas para um novo ano da igreja que está se iniciando.
Biblicamente, somos convidados a olhar para João Batista. No evangelho de Marcos ele é mencionado como aquele que fora enviado com a tarefa de preparar o povo para receber o Salvador. “Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas;” (Mc 1.3) João Batista é chamado “pregador do arrependimento”, o arrependimento para a remissão dos pecados. Ou seja, ele foi enviado para preparar o povo para a vinda do Messias. Para isso, sua função era a de censurar  o povo e convencê-los de que eram pecadores, afim de que soubessem o que eram diante de Deus e reconhecendo-se homens perdidos ficando assim preparados para o Senhor, a fim de receberem a sua graça esperando e aceitando o perdão dos pecados. Olhando para esta preparação que João Batista desempenhou, lembramos que quem quer andar com Cristo, quem quer receber a salvação, precisa sofrer os impactos desta preparação. Enquanto o ser humano não descer de seu pedestal e não reconhecer que é fraco, pecador, que é indigno, não estará preparado para receber o Senhor. É triste ver a realidade de que não só os ateus, mas também muitos cristãos se deixam contaminar pelo orgulho e não se reconhecem pecadores diante de Deus! Diante dele não existem degraus de santidade, não existe tempo de igreja, não existe autoridade ou grau de importância que valha. Diante dele caem os medalhões, diante dele caem todas as autoridades. Esta é uma mensagem dura de se ouvir, mas necessária para a salvação.
Querido povo de Deus. Ninguém gosta de ser pego desprevenido, despreparado. Vivamos nossos dias com as malas prontas, ou seja, olhando a vontade de nosso Deus e procurando vive-la, no sentido de não nos isolarmos, mas viver a vida com a consciência de que através de sua santa palavra e dos sacramentos Deus nos prepara. Que possamos viver os impactos desta preparação adquirindo sabedoria, anunciando a importância de preparar-se na certeza de que a promessa de salvação de nosso Deus se cumprirá. Amém.

Com carinho, pastor Valdir

OS CÉUS SE RASGAM PARA A DESCIDA DE DEUS!

Advento é um tempo onde lembramos que o Senhor vem ao nosso encontro. Pois o texto de Isaías 64 é um texto perfeitamente casado com o tempo de Advento. Ali encontramos o anseio do ser humano ao desejar que de fato Deus venha encontra-lo, pois dele depende inteiramente. Neste sentido, Isaías declara: “Oh! Se fendesses os céus e descesses” (Is 64.1a) Ao que parece, Deus se havia retirado da presença do povo, e este, agora em apuros clamava por Ele para que este descesse e visse a situação difícil na qual se encontravam. É o famoso “lembrar de Deus quando troveja”! O pedido do povo é bem profundo e contundente. A palavra fender, também pode ser traduzida literalmente como rasgar. De tal maneira, que alguns manuscritos usam esta palavra lá no batismo de Jesus quando os céus se abriram e o Espírito Santo na forma de uma pomba pousou sobre Jesus e a voz de Deus Pai veio do céu enfatizando que Jesus era o Messias enviado por Ele. Advento é tempo de lembrar isto. É Tempo de lembrar que literalmente os céus se rasgam para a descida de Deus. Esta forma de descrever a ação de Deus, faz lembrar da figura do salva-vidas, que fica na beira da praia pronto para socorrer os afogados.
O Salva-vidas precisa agir da seguinte maneira:
1 - Precisa tirar a pessoa de dentro da água.
2 - Precisa tirar a água de dentro da pessoa.
3 - Precisa reanimá-la.
De certa forma, foi o que Deus fez por nós através do Salvador Jesus Cristo. Deus rasgou os céus, e veio para:
1 - Nos tirar do mar da escuridão do pecado.
2 – “Tirar” o pecado de nosso coração ocupando-o com a fé salvadora.
3 – Ele nos reanima por meio de sua santa palavra através do Espírito Santo.
Advento é isso! Um Deus que rasga os céus e vem ao nosso encontro. Que possamos viver este tempo lembrando de um Deus que veio ao nosso encontro para nos resgatar e salvar. Amém.

Com carinho, pastor Valdir

FELIZ ANO-NOVO DA IGREJA!


A Igreja Cristã segue um calendário próprio (diferente do calendário Civil). O Ano da Igreja, ou Ano Eclesiástico, se inicia a partir da Ressurreição de Cristo e finaliza no período que denominamos “Pós Pentecostes”. O ano eclesiástico está centralizado na vida e Obra de Jesus Cristo. A cada período, a liturgia é preparada de modo a elucidar o tempo em que a igreja está vivendo. Por esse motivo, as cores litúrgicas do altar e do púlpito, bem como a estola do pastor, mudam a cada período. Isso nos oferece uma visão completa dos fatos bíblicos do que Deus fez e faz por nós. Esses fatos são descritos mediante as leituras bíblicas que a Igreja organiza.
Podemos dizer que o ano da Igreja está dividido em três grandes ciclos: Ciclo do Natal, Ciclo da Páscoa e Ciclo da Igreja (ou tempo comum).
Estamos iniciando o ciclo do Natal com o tempo de Advento. Que seja um período de reflexão e esperança no sentido de lembrarmos de tudo que o Senhor fez por nós.
Um abençoado ano Novo da Igreja.

Com carinho, pastor Valdir

A REPÚBLICA QUE QUEREMOS!

Na próxima quarta-feira, estaremos vivendo mais um feriado em nosso calendário. Trata-se do feriado de 15 de novembro, onde se celebra a proclamação da república. Muitas pessoas confundem este feriado com o 7 de setembro. No entanto, um feriado não tem nada a ver com o outro. Devemos esse dia de descanso ao Marechal Deodoro da Fonseca, militar e político brasileiro, que, no dia 15 de novembro de 1889, proclamou a República Brasileira, derrubando a monarquia constitucional parlamentarista do Império do Brasil e pondo fim à soberania de Dom Pedro II. A proclamação aconteceu na Praça da Aclamação, atual Praça da República, na cidade do Rio de Janeiro que, na época, era a capital do Brasil. No mesmo dia foi instituído um governo provisório, que tinha o Marechal Deodoro como presidente e o Marechal Floriano Peixoto como vice.
Mas, o que de fato é uma república? República é um sistema de governo onde a ênfase está no interesse comum, no interesse da comunidade, em oposição aos interesses particulares e aos negócios privados. Olhando esta definição, parece que atualmente nosso sistema de governo está bastante distante daquilo que de fato é uma república no sentido mais estrito da palavra. Nunca vimos tanta corrupção, troca de favores, compra de votos (seja nas eleições, seja na câmara ou senado), e o mais estarrecedor é percebermos que esta forma de ser república está se institucionalizando e aos poucos, termos como “caixa 2” estão sendo oficializados quando tratados como algo normal. Diante deste cenário tão complicado, ainda vale a pena celebrar o 15 de novembro? Humanamente falando, talvez não. No entanto, para aqueles que depositam sua confiança em Deus, a palavra esperança faz toda a diferença. O Salmista ressalta sua confiança em Deus ao dizer: “Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no SENHOR, seu Deus” (Sl 146.5). O profeta Jeremias também ressalta a importanca da esperança depositada em Deus: “Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR.” (Jr 17.7) Tanto o salmista como o profeta Jeremias viveram dias difíceis em suas épocas, no entanto, não deixaram de depositar sua esperança no Senhor. Estariam eles errados? Com certeza não. O apóstolo Paulo também vai na mesma linha acrescentando algo a mais a esperança depositada em Deus: “...regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes;” (Rm 12.12) Notemos que Paulo acrescenta a palavra oração como ítem importante na vida cristã. Eis aqui parte da solução para dias melhores em nossa república federativa brasileira: a oração. Que possamos orar mais e mais por nossa pátria, afim de que o Senhor nos brinde com a república que queremos.

Com carinho, pastor Valdir

NOVEMBRO: MÊS DA MORDOMIA CRISTÃ!

Estamos iniciando o mês da mordomia cristã. Mordomia é um sinônimo da palavra administração, que por sua vez está intimamente relacionada a palavra “despenseiro”. O apóstolo Pedro recomenda: “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.” (1 Pe 4.10). Ser um bom despenseiro significa ser um bom administrador ou um bom mordomo.
Sendo assim, convém que lembremos aquilo que Deus espera que administremos:
Vida (Corpo e alma)“logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé noFilho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” (Gl 2.20)                                                                                                                             
Tempo“É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia, a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.” (Jo 9.4)
Dons“Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo.” (1 Co 12.4)
Bens“Cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria.” (2 Co 9.7).
Como devemos administrar estas questões? Deus nos orienta a observar dois parâmetros:
1 – Promover nosso sustento e bem estar bem como de nossa família e nossos semelhantes.
2 – Promover a salvação das pessoas e a edificação do Reino de Cristo através da igreja.

Oportunidades de viver nossa mordomia em novembro:
- Campanha de arrecadação para Moreira (Alimentos, higiene e limpeza)
- Brechó beneficente (11/11)
- Ofertas mensais regulares (Retirada dos envelopes para 2018)
- Campanha “Natal da Criança de Canela” (Arrecadação de brinquedos novos e usados durante o mês de novembro).
Lembremos que “Deus é o dono, e o ser humano é mordomo”. Ele mesmo, o Senhor, é quem nos desafia: “Trazei todos os dízimos à casa do Tesouro, para que haja mantimento na minha casa; e provai-me nisto... se eu não vos abrir as janelas do céu e não derramar sobre vós bênção sem medida.” (Ml 3.10)

Com carinho, pastor Valdir

DEUS É NOSSO REFÚGIO E FORTALEZA!

Um dos salmos que Lutero apreciava era o Salmo 46. Inclusive, foi baseado neste salmo que compôs o hino Castelo Forte, tão apreciado no mundo. Abaixo, transcrevemos uma devoção escrita por Lutero baseada neste salmo.
“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações. Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes de abalem no seio dos mares.” (Sl 46.1-2)
Nenhum poder, majestade ou proteção que reconforte, ou no qual se possa confiar, deve ser buscado no mundo. Inteiramente, e somente em Deus devemos buscar ajuda. Por causa de seu poder divino, Deus manterá a sua igreja. Desde o princípio, Ele a tem preservado maravilhosamente neste mundo, mesmo em meio a grandes dificuldades, em divisões ocasionadas por hereges, e em meio a perseguições de tiranos. O governo é inteiramente seu ainda que a condução do culto a si mesmo esteja a serviço de seres humanos, os quais utiliza como administradores de sua Palavra e santos sacramentos. A cada cristão Ele chama e ordena servir conforme suas instruções. A ansiedade a respeito da continuidade ou não da igreja e sua preservação contra o mal e o mundo deve ser depositada em Deus. Ele já a capacitou com segurança em outros tempos e também a guiará e preservará nos tempos atuais. Os cristãos conhecem e sabem de sua santa palavra crendo assim que Ele cuidará deles; por isso colocam todas as coisas em suas mãos, e com base em sua palavra confiam plenamente nele neste mundo. Aprenderam que não devem apoiar-se em sua razão e sabedoria, nem sobre ajuda e consolo humanos.
Ilustrarei isto com minha própria experiencia. O que eu teria feito se, ao começar a denunciar as mentiras do sistema de indulgências e os erros do papado, tivesse dado ouvido às ameaças que fizeram a mim? Quantas vezes escutei dizerem que ao escrever contra esta ou aquela autoridade ou eminencia causaria seu desgosto, e traria más consequências para mim e toda a nação alemã! Porém, já que não fui eu quem começou esta obra, mas fui guiado a ela por causa do meu ofício, devo continuar em frente. Coloquei esta causa nas mãos de Deus e deixei que Ele cuidasse deste fardo, tanto da obra como de mim mesmo. Desta maneira, Ele assegurou tanto a causa como a vitória nesta causa, porque não era eu quem trabalhava, mas sim, com segurança, Deus trabalhava através de mim. Da mesma maneira exorto a que todos os cristãos depositem suas ansiedades e cuidados em Deus, que é extremamente poderoso para suportar nossos fardos.

 Com carinho, Pastor Valdir.