"Mas agradeçamos a Deus, que nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. I Co 15.57"

Tornado Xanxerê


Estimados em Cristo Jesus. Devido a gravidade da situação imposta pelo tornado que arrasou a cidade de Xanxerê em Santa Catarina, reproduzimos a nota de nossa Igreja Evangélica Luterana do Brasil numa campanha de ajuda aos irmãos daquela cidade. Colabore!

Estimados irmãos e irmãs em Cristo!

A IELB quer estar presente com suas orações, seu abraço de amor, suas ações de misericórdia e compaixão, movida pela graça de Deus, para que sempre possamos, unidos, a uma só voz, proclamar e anunciar o que o Senhor tem feito por nós, em Cristo Jesus.

Também convidamos a todos os que quiserem e puderem ajudar financeiramente, em favor dos irmãos, hoje em Xanxerê, SC, amanhã pode ser em outro local, a fazerem suas ofertas.

Neste momento de tão grandes perdas e sofrimentos, quereremos reafirmar que as pessoas atingidas precisam, nesta hora, especialmente, três coisas: água para beber, comida pronta para comer e abraços.

Água e comida podem vir de muitos lugares. Mas abraços vêm do Deus da graça e paz, que já colocou neste lugar filhos e filhas para fazerem a diferença. Estes abraços são abraços dos braços de Jesus, que dão certeza que ainda há vida; são abraços que dão certeza que ainda há esperança; são abraços de cristãos e cristãs que estão presentes para que haja equidade, justiça e inclusão de todos na ajuda governamental nestas horas.

Ao mesmo tempo, a IELB quer ser a voz dos sem voz; quer ser o recurso dos sem recursos; quer ser a casa dos que perderam a casa.

A IELB quer ajudar a planejar! Quer dizer que nada fugiu do controle do Criador, porque a este, até o mar e o vento obedecem. Quer dizer que estamos aqui para ouvir a voz do Bom Pastor Jesus e receber o glorioso convite da entrada nos céus.

“O Senhor é o meu pastor: nada me faltará.
Ele me faz descansar em pastos verdes
 e me leva a águas tranquilas.
O Senhor renova as minhas forças
e me guia por caminhos certos,
como ele mesmo prometeu.
Ainda que eu ande
por um vale escuro como a morte,
não terei medo de nada.
Pois tu, ó Senhor Deus, estás comigo;
tu me proteges e me diriges.”
(Salmo 23.1-4)

Rev. Airton S. Schroeder
Vice-presidente de Ação Social da IELB
airton@ielb.org.br

CONTAS DA IELB PARA DEPÓSITO DE AJUDA:
Banco do Brasil: Agência 0010-8 Conta: 5213-2
Bradesco: Agência 0324-7 Poupança: 165195-1

SEJAMOS COMO OS RECÉM-NASCIDOS


SEJAMOS COMO OS RECÉM-NASCIDOS
 “Louvai ao Senhor da terra,... rapazes e donzelas, velhos e crianças.” (Sl 148.7,12)
O salmo 148 é um salmo que traz literalmente, como diz o título, um coro de aleluias. Inclusive as crianças são incluídas, dentre elas os recém-nascidos. Os pequeninos trazem consigo uma percepção muito diferente de nós. Eles percebem as maravilhas que Deus fez, e a desfrutam com uma intensidade muito diferente de nós adultos, que nos prendemos a um relógio, aos compromissos e muitas vezes ignoramos o que Deus fez e faz. Esta percepção conforme o ser humano vai crescendo e amadurecendo vai sendo perdida.  É aquela percepção dos pequenos detalhes, das pequenas coisas que não são vistas no turbilhão de experiências que vivenciamos todos os dias. Não é a toa que o apóstolo Pedro pronunciou: “...desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação,...” (1 Pe 2.2)
Estamos vivendo o período de Páscoa. Um período onde lembramos com ênfase aquilo queDeus fez por nós em Cristo Jesus. Crer nesta verdade, abraçá-la e nela confiar, depende do cultivo da fé genuína, como a dos pequeninos. Cultivo este não no sentido da fragilidade ou humilhação. Deus espera que cultivemos a fé que nos torna dependentes única e exclusivamente dele. Afinal de contas, nele somos, nos movemos e existimos. Amém.
Com carinho, Pastor Valdir.


PÁSCOA - A NOTÍCIA COMPLETA!


PÁSCOA -  A NOTÍCIA COMPLETA!
Em 1815, Napoleão Bonaparte, imperador da França, juntava as forças Francesas na cidade de Waterloo para sua batalha contra o Duque Wellington e as tropas inglesas, belgas e holandesas. A história nos conta que Napoleão saiu derrotado daquela batalha. Porém, curiosa foi a forma como as pessoas que viviam em 1815 souberam da notícia. Para levar a notícia da batalha de Waterloo para a Inglaterra, um navio britânico mandou um sinal para um homem na costa, que depois assinalou para outro num morro distante, e assim adiante pela Inglaterra afora. A primeira palavra enviada foi “Wellington” (o nome do duque inglês). A palavra seguinte foi “derrota”. Então, veio uma neblina intensa que dificultou a transmissão da mensagem, e esta parou. Como dá para imaginar, por toda a Inglaterra, o povo chorou e perdeu o ânimo pela mensagem de duas palavras “Wellington derrota”. Mas, quando a neblina se dissipou, foram enviadas mais duas palavras “o inimigo”. O desespero então se converteu em júbilo.[1]
Talvez tenha sido esta a sensação que os discípulos tiveram após presenciarem os eventos que se passaram na sexta-feira da crucificação. Porém, a sexta-feira só tinha uma parte da mensagem. O resto da história foi declarado no Domingo através do túmulo vazio. O desespero se converteu em júbilo. Lembramos as palavras do anjo: Não vos atemorizeis; buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado; ele ressuscitou, não está mais aqui; vede o lugar onde o tinham posto..” Mc 16.6. É necessário que a cristandade na terra, não somente divulgue a vitória de Cristo sobre a morte, mas que testemunhe dizendo que esta vitória foi conquistada por cada ser humano, e como enfatiza o apóstolo Paulo esta notícia: Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,. (1Co15.3)
Portanto, queremos juntos em mais uma Páscoa, não darmos a notícia pela metade. Queremos dizer, alto e claro, não somente que Cristo morreu e ressuscitou, mas também dizer a outra metade, que sua morte e ressurreição resultaram na minha, na sua, na nossa salvação. Salvação disponível a toda e qualquer pessoa que aceitar o senhorio do Senhor Jesus Cristo. Desta forma poderemos todos dizer junto com o salmista, com alegria e certeza: Alegra-se, pois, o meu coração, e o meu espírito exulta; até o meu corpo repousará seguro. (Sl 16.9). Que assim seja. Amém.
Com carinho, Pastor Valdir.




[1] Adaptado de Steve Higginbotham no site www.iluminalma.com

ESTÁ CONSUMADO!


Está consumado!
Querido povo de Deus. Já estamos vivendo a Páscoa. A data mais importante do cristianismo chega trazendo consigo as palavras do Salvador Jesus: “Está consumado”. Tais palavras, as quais ele declarou no alto da cruz, trazem consigo algumas verdades essenciais que devem ser lembradas ao contemplarmos sua trajetória neste mundo.
Ao dizer “está consumado”, Jesus estava declarando essencialmente duas coisas:
1 – Terminava ali o seu sofrimento - O estado de humilhação vivido por Jesus encontrava o seu ponto final. Podemos entender a humilhação de Jesus através do exemplo que o Sumário da Doutrina Cristã nos traz: “um gigante possui grande força física, mas se não faz uso dela, frágeis crianças podem amarrá-lo e matá-lo. Assim foi com Cristo. Em sua natureza divina, Cristo sempre fez uso integral de sua majestade e poder (João 5.17; Hebreus 1.3). Mas em sua natureza humana, a que toda essa majestade e poder haviam sido comunicados, não fez uso constante e total. A humilhação de Cristo consiste, pois, no não-uso do divino poder e majestade que ele também possuiu em sua natureza humana.”[i]
2 – Completava-se o plano de Deus – Em outras palavras, concluía-se ali o que Deus havia planejado enviando seu Filho Unigênito ao mundo: a salvação da humanidade. Em João 4.34 Jesus declarara: “A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra.” Em João 17.4 o Salvador também dissera: “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer;”. Ou seja, Jesus tinha consciência plena do plano de Deus, executado e concluído através dele.
Em mais uma Páscoa que vivenciamos, não ignoremos a grandeza da obra redentora do Salvador Jesus. Façamos coro com Ele declarando: Está consumado.
Está consumado lembrando a sua obra redentora em nosso favor.
Está consumado lembrando que estamos libertos do diabo e de todo mal, por causa do Salvador Jesus.
Está consumado, porque já, aqui, agora, vivemos a salvação para a qual Ele nos conquistou.
Está consumado, pois Ele virá para nos buscar a seu tempo e a seu modo.
Uma Feliz e abençoada Páscoa a todos.
Com carinho, Pastor Valdir.



[i] Sumário da Doutrina Cristã, p. 78.